O Coronavírus têm sido um dos assuntos mais abordados desde o início do ano. O Vírus que iniciou sua disseminação em Wuhan na China no início de 2020 se alastrou pelos continentes, e atualmente está presente na maioria dos países, incluindo o Brasil. Além de todo impacto viral ligado à saúde, outro ponto a ser considerado é: como o Coronavírus têm afetado o comércio.

O primeiro reflexo na economia no caso do Coronavírus foi visto na Bolsa de Valores. Em Xangai, no início de fevereiro, mês em que a doença teve sua disseminação acentuada, a Bolsa de Valores reabriu com 7% de queda. No Brasil no mesmo período, a Bolsa de Valores Brasileira também apresentou queda. No dia 03 de fevereiro, o Ibovespa encerrou o dia com desvalorização de 3,29%. Desde o início da epidemia do Coronavírus a Bolsa de Valores tem apresentado queda. Porém, em outras epidemias como o surto de Ebola em 2018 e a Gripe H1N1 em 2009 a queda na bolsa de valores também foi observada.

Além do impacto na Bolsa de Valores. O Comércio de cidades como Wuhan na China também enfrentam a falta de movimentação nos comércios. Afinal, a população que antes consumia produtos e fazia compras nas lojas agora estão em casa, para evitar o contágio com a doença, logo consumindo menos e deixando de movimentar o comércio da cidade. Grandes empresas como Toyota, Starbucks, McDonald’s e Volkswagen reduziram ou paralisaram temporariamente suas atividades na China.

Como o Coronavírus impacta a economia brasileira?

No Brasil, segundo dados divulgados pelo governo, as exportações brasileiras podem sofrer queda de 3%, por causa do impacto do Coronavírus. Um dos itens de maior exportação do Brasil para a China é a soja. Em 2018 em comparação com 2017 as exportações do Brasil para a China tiveram um aumento de 35%.

Apesar do pânico causado pela doença e pelo impacto mais profundo causado em outros países. Segundo informações do Comércio Exterior do Ministério da Economia, ainda não há queda nas exportações brasileiras. Mas compreende-se a possibilidade de risco de aproximadamente 3% de queda no número de exportações.