Com o aumento espontâneo de casos de Covid 19 no Brasil e no mundo, as projeções econômicas foram afetadas. Segundo dados da revista Exame, uma das maiores instituições financeiras dos Estados Unidos, o Bank of America, ainda no começo da pandemia no Brasil, já previu uma queda no PIB (Produto interno bruto). Segundo dados do IBGE (Instituto de Brasileiro de Tecnologia e Estatística), o PIB brasileiro teve queda de 1,5% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o último trimestre do ano de 2019.

A queda no PIB teve influência direta da pandemia de COVID 19 e também do distanciamento social. O IBGE considera que com a atual situação do PIB é possível comparar o índice atual no mesmo patamar de crescimento de 2012.

Para compreender a queda do índice que mede o avanço da economia brasileira, é levado em consideração o fechamento dos comércios e demais serviços não essenciais, e também o impacto da desaceleração momentânea do mercado chinês, que é um dos maiores parceiros comerciais do Brasil. A pesquisa do Bank of America, que previu a queda do PIB para o primeiro trimestre de 2020, e levou em conta a maneira como o governo brasileiro tem se comportado referente à crise do Covid 19.

Um dos maiores fatores que influenciam os dados, além do fechamento de vários comércios e indústrias, é a falta de perspectiva de retomada econômica uma vez que ainda não existem dados concretos de quando haverá uma reabertura total do comércio. Essa situação faz com que muitos investidores tenham mais cautela no uso de seu patrimônio levando a uma menor circulação de renda, enfraquecendo mais a economia e diminuindo as referências econômicas.

Na contra mão de tudo isso, analistas dizem que esse momento é propício para investimentos a médio e longo prazo para “surfar” no pós-crise e salientam que nem todos os setores estão enfrentando um período ruim. Como é o caso de itens de limpeza, higienização e consumo de internet.

Um dos setores que mais vem se beneficiando durante a crise é o setor de comércio e serviços eletrônicos. De acordo com ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) o crescimento do setor foi de 180%. Um número bastante expressivo, e que está atraindo investidores de áreas diversas que nunca haviam se aventurado no mundo digital, e que encontram um meio alternativo de continuar lucrando em meio à crise.

Outro setor que mostrou crescimento foi a agropecuária. Segundo informações do IBGE, o setor demonstrou crescimento no primeiro trimestre de 2020. O crescimento manteve alta aceitável em meio a queda de vários outros setores que demonstraram.

A queda do PIB interrompe uma sequência de crescimento de quatro trimestres seguidos, e marca menor resultado desde o segundo semestre de 2015, em que o PIB marcou (-2,1%) de queda.