Em junho de 2020 o aplicativo de mensagens WhatsApp já havia sinalizado a vontade de iniciar um novo projeto: o envio e recebimento de valores dentro do aplicativo. Apesar do movimento, a iniciativa foi barrada pelo Banco Central (BC) que informou que iria avaliar com maior profundidade os possíveis riscos desta transação.

O WhatsApp foi disponibilizado em território brasileiro em 2009, e atualmente conta com mais de 120 milhões de usuários no país. Apesar de ser um dos aplicativos de conversa mais popular do Brasil, o Banco Central ainda está avaliando as possibilidades de autorizar o envio e recebimento de valores via app.

Caso seja autorizado pelo BC, o WhatsApp vai funcionar como um iniciador de pagamentos, ou seja, o consumidor ao efetivar um compra poderá pagar via WhatsApp. Neste caso, o consumidor dará uma ordem via aplicativo para o banco em que é correntista, para que o valor da compra seja debitado de sua conta bancária. Atualmente, aplicativos de delivery como o Ifood já utilizam a ferramenta de iniciador de pagamentos dentro do aplicativo.

Se a nova modalidade for aprovada, a utilização de intermediários como o cartão de crédito, não serão mais necessários para fazer uma compra via crédito/débito em um estabelecimento físico. É mais praticidade para o consumidor e para o lojista.

Atualmente o WhatsApp continua em diálogo frequente com o Banco Central, para que a nova modalidade seja liberada dentro do aplicativo. O Banco Central, por sua vez está avaliando a proposta e possíveis riscos concorrenciais, para garantir o funcionamento adequado das transições.